25 de abril de 2018

EU SOU A VIDEIRA E VÓS OS RAMOS

Estimados irmãos e irmãs. Caminhamos já no 5º Domingo do Tempo Pascal. O ressuscitado que sempre caminha conosco, também nos instrui na verdade, para não nos desviarmos do caminho. Neste Domingo o Senhor apresenta-se como o verdadeira videira sem a qual não podemos produzir frutos de bem.

Jesus utiliza-se de elementos simples para ensinar sua mensagem a fim de que todos compreendam, conheçam e vivam. No santo Evangelho de hoje (Jo 15,1-8) diz que nós somos os ramos e Ele é a videira. Fora dele não temos vida.

Você já viu um galho de qualquer planta sobreviver fora do tronco? Pode até permanecer verde por uns dias enquanto estiver com água. Porém, somente a água não basta. Ele precisa de outros nutrientes para continuar crescendo e se desenvolvendo e como lhe faltam, morre. Somente água, não basta. Assim na nossa vida. Não basta uma coisa. Temos que buscar vários elementos para que nossa fé não morra.

Assim, queridos irmãos e irmãs, acontece conosco. Toda pessoa que é batizada, fica atrelada ao tronco que é Jesus Cristo e a sua Igreja. Quando ela quer se apartar de Deus e da Igreja começa a definhar e corre o risco de morrer se não for socorrida. Isso porque lhe falta a seiva verdadeira que só Deus pode dar. Quando nos referimos a vida, não falamos apenas do aspecto físico, mas especialmente da salvação eterna.

Não podemos pensar que Deus nos quer escravos executando suas ordens. Não! Ele nos ensina que quando estamos longe dele, somos contaminados pelas tentações e fraquezas humanas e mundanas e assim acabamos ficando sem o canal da graça. O pecado nos engana fazendo pensar que podemos caminhar sozinhos; que não precisamos depender de ninguém. Esta tentação está cada vez mais forte e presente no mundo atual. Quantos dizem que não precisam da Igreja para buscar a Deus. Outros ainda dizem que não precisam de Deus porque sabem o que fazer. Pobres ignorantes. Precisam da nossa oração e da misericórdia de Deus.

No versículo 5 encontramos justamente esta colocação de Jesus: “Eu sou a videira e vós os ramos. Aquele que permanece em mim, e eu nele, esse produz muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer”. Ele deixa bem claro: ‘sem Ele nada podemos fazer’; nada de bom pode sair de nós mesmos. O bem que fazemos é o amor de Deus agindo em nós. Permanecer unido a Ele é alimentar esta semente para que ela cresça e se multiplique.

O que acontecerá com os ramos secos, aqueles que não produzem frutos? “Quem não permanecer em mim, será lançado fora como um ramo e secará. Tais ramos são recolhidos, lançados no fogo e queimados” (v. 6). Porque a missão que o Senhor nos confia é a de produzirmos muitos e abundantes frutos de justiça e vida.

Como então podemos saber se estamos unidos e Ele e se estamos produzindo frutos? A resposta nos vem da Palavra de Deus (2ª leitura: 1Jo 3,18-24): “Filhinhos, não amemos só com palavras e de boca, mas com ações e de verdade!” Quando estamos unidos a Deus, amamos as pessoas sem fingimento e buscamos a promoção da verdade e da vida em tudo o que fizermos.

Todos os batizamos são convidados a estas atitudes. Não podemos pensar e agir diferente. Permanecer unido a Ele é transformar todas as nossas inquietações e imperfeições para que em tudo manifestemos o amor de Deus por nós e pela humanidade.

Discípulos missionários comprometidos com a vida que brota do coração de Deus.

Abençoada semana.

Saudações,
Pe. Hermes José Novakoski
Pobre Servo da Divina Providência