19 de abril de 2018

“EU DOU MINHA VIDA PELAS OVELHAS”

Estimados irmãos e irmãs em Cristo Jesus. Reunimo-nos como comunidade ao redor da mesa da Palavra e da Eucaristia para celebrar a nossa fé. Somos a Igreja peregrina que reza unida a Igreja celeste pela santificação do mundo. Queremos que todos os filhos de Deus sejam conduzidos a Pátria celeste onde Ele mesmo será tudo em todos.

Neste quarto Domingo da Páscoa a Igreja nos convida a refletirmos sobre Jesus, o Bom Pastor que dá a vida pelas ovelhas. Só Ele tem o poder de doar a sua vida por aqueles que ama. Faz isso porque quer, porque ama a todos indistintamente.

Vemos crescer de novo uma perseguição contra a Igreja e as pessoas que fazem o bem. Grupos, governos, entidades sentem-se incomodados pelo serviço que a Igreja presta as classes menos favorecidas e tem travado certa perseguição para tentar calar estas vozes proféticas.

Assim como Pedro, cheio do Espírito Santo, (1ª Leitura At 4,8-12) disse, nós precisamos continuar dizendo: “Chefes do povo e anciãos: hoje estamos sendo interrogados por termos feito o bem a um enfermo e pelo modo como foi curado. Ficai, pois, sabendo todos vós e todo o povo de Israel: é pelo nome de Jesus Cristo, de Nazaré, — aquele que vós crucificastes e que Deus ressuscitou dos mortos — que este homem está curado, diante de vós”.

Jesus continua sendo crucificado nos pobres, enfermos, marginalizados, carentes e quando a Igreja quer os defender ou ajudar a restaurar a sua dignidade, é acusada e apedrejada, inclusive, infelizmente, por alguns que ainda se dizem católicos. Esquecem de cuidar da família a qual pertencem. Falam daquilo que não fazem. Falam, na verdade, de si próprios.

Devemos continuar nossa missão de pastoreio para que o amor de Deus seja mais conhecida. Podem calar um e outro, mas não calarão Jesus Cristo. Ainda que calem homens e mulheres que lutam pela justiça, as próprias pedras falarão, denunciarão, como nos diz a escritura (Lc 19,40).

Quando Jesus, como pedra principal, não é o fundamento da vida e das instituições, a vida de ninguém é valorizada e respeitada. Continuaremos assistindo, talvez em proporções maiores, cenas de violência, agressão, ofensas. Mas isso não pode desanimar os filhos de Deus na promoção do bem.

Difícil as vezes é aceitar estes filhos de Deus como irmãos. Mas não depende de nós. Pois todos, inclusive estes perseguidores, são filhos de Deus. São João, na 2ª Leitura de hoje (3,1-2) nos lembra justamente isso: “Vede que grande presente de amor o Pai nos deu: de sermos chamados filhos de Deus! E nós o somos!” Porém, alerta: “Se o mundo não nos conhece, é porque não conheceu o Pai”. Os filhos de Deus que não conhecem o seu amor por nós, continuarão fazendo barbáries contra os outros filhos de Deus. Precisamos clamar os céus pela misericórdia de Deus.

Neste quarto Domingo também somos convidados a rezar pelas vocações. A missão do bom Pastor precisa se perpetuar naqueles que dele receberam esta missão ministerial. Rezemos então pelo Papa, pelos Cardeais, Bispos, Sacerdotes, Religiosos e Religiosas que tem esta missão específica de serem como o bom Pastor doando sua vida para que todos tenham vida.

Deus abençoe nossa semana!

Saudações

Pe. Hermes José Novakoski
Pobre Servo da Divina Providência