10 de novembro de 2017

VIGIAI, VIGIAI, VIGIAI

Estimados irmãos e irmãs. Que as bênçãos de Deus estejam com você e com todos os seus. Louvemos ao Pai Providente que continua formando-nos, fortalecendo e animando em nossa caminhada de fé porque Ele quer ver seus filhos alegres, felizes, santos.

Estamos nos encaminhando para o final do ano litúrgico que encerrará no dia 26 de novembro com a Solenidade de Cristo Rei. Na lógica pedagógica que tem a liturgia, a Palavra de Deus deste final de semana nos convida a vigilância, pois só entrará para o banquete nupcial quem esperar no Senhor. Quando Ele virá? Não sabemos e não precisamos saber. O que devemos fazer sempre é viver cada momento como o único e o último da nossa caminhada sobre esta terra. Devemos buscar a santidade em todas as nossas ações.

Um dos aspectos que gostaria de provocar para nossa reflexão é que cada um de nós é responsável pela própria salvação, oferecida por Deus Pai em Jesus na Cruz. Vemos isso na Parábola que Jesus conta aos discípulos narrada no Evangelho (Mt, 25,1-13) deste Domingo. Das dez jovens que saíram ao encontro do noivo, cinco eram previdentes e cinco imprevidentes. Basta ler que compreenderemos o que acontece depois.

As jovens imprevidentes representam, na história da Salvação, todos aqueles que não levam a sério a sua fé. Não procuram, podemos assim dizer, abastecer a sua vasilha com óleo a fim de que a lâmpada da fé se mantenha acesa. Quem são estes? Aqueles que não rezam; não leem a Palavra de Deus; não vão a santa Missa; não fazem caridade. Suas lâmpadas estão se apagando ou apagadas e a responsabilidade é de cada um. Porque aqueles que já foram batizados, receberam a luz naquele dia, e não se preocuparam em mantê-la acesa. Assim vivem nas trevas. Vivem de qualquer jeito. Assim, a escuridão os amedronta.

As jovens previdentes, aquelas que pensam em todo o caminho da fé e por isso sabem que poderá ter imprevistos, são aqueles que rezam; vão a santa Missa; meditam a Palavra de Deus; buscam os Sacramentos; praticam a caridade. O óleo que carregam dá forças e coragem para manter a lâmpada acesa e assim poderem iluminar sempre a vida e o caminho por onde passam. São aqueles que buscam a Sabedoria de Deus (1ª Leitura: Sb 6,12-16) e por isso sabem por onde caminhar, pois ela “é a perfeição da prudência”.

Estas pessoas sabem que não podem descuidar da sua fé. Buscam sempre elementos que as façam crescer no conhecimento de Deus, da Igreja, das ciências. Aprofundando o conhecimento, não abandonam a Deus, mas pelo contrário, o buscam ainda mais, pois sabem que tudo provém dele.

E Jesus termina com um alerta que serve para todos nós: “Ficai vigiando!” Sim! Precisamos vigiar sempre, pois somos tentados a abandonar os valores do Evangelho e a viver a nossa vida de qualquer forma. Muitas vezes somos criticados por estarmos buscando a Deus. Mas isso não deve nos incomodar, pois sabemos que estamos neste mundo de passagem. Somos peregrinos que caminham para a casa do Pai.

Que a Sabedoria de Deus nos ilumine, inspire, acompanhe mantendo-nos sempre vigilantes, atentos, pois o Senhor precisa de servos disponíveis e não aqueles que dormem no meio do caminho ou que justificam seus fracassos porque não foram ajudados. Quer a graça? Quer a sabedoria? Busque-as! Deseje-as!

Abençoado Domingo e semana!

Pe. Hermes José Novakoski
Pobre Servo da Divina Providência