14 de outubro de 2017

JÁ PREPAREI O BANQUETE

Estimados irmãos e irmãs. Vamos nos reunir em mais um final de semana na casa do Senhor. Lá Ele nos espera de braços abertos para nos acolher e poder transmitir sua sabedoria. O Salmo (22/23) deste Domingo nos traz uma belíssima imagem do Senhor como o pastor que nos conduz. Ele prepara para nós um banquete, uma festa, onde se dá como alimento na Eucaristia.

O banquete que em todas as santas Missas nos é oferecido prefigura o banquete que o Senhor nos tem preparado no céu. Aqui Ele nos alimenta com o seu corpo e sangue. Lá Ele será tudo em todos. Na sua presença não sentiremos mais necessidades. Não precisaremos de mais nada. Bastará contemplar a sua glória.

No Evangelho (Mt 22,1-14) deste 28º Domingo do Tempo Comum, Jesus conta mais uma parábola, comparando o Reino dos Céus como uma grande festa. Ele é uma grande festa, pois todos os filhos de Deus deverão estar aí reunidos.

Toda comparação, ainda mais quando se refere a Palavra de Deus é limitada. Mas elas servem para entendermos melhor as coisas. Imagina você preparar uma grande festa convidando seus familiares, amigos e colegas. A festa inicia e os convidados não chegam. Qual seria sua reação?

Contando uma parábola neste sentido, Jesus fala do banquete preparado por Deus desde o princípio aos seus filhos e filhas. Aqui Ele está se referindo de modo especial ao povo de Israel que eram o povo de Deus até então. E o que acontece? Os convidados não querem participar do banquete.

Assim pode acontecer também nos tempos de hoje onde os muitos batizados renunciam ao Reino de Deus não querendo viver os ensinamentos de Jesus. Muitos batizados na Igreja Católica abandonaram a fé por vontade próprio e outros porque não foram corretamente instruídos pelos pais, padrinhos, catequese ou até pela própria Igreja. Estas são escolhas nossas e que terão suas consequências na vida futura.

Pode acontecer também, como ouvimos no final do Evangelho, que alguns dos que entram para a festa não estão adequadamente vestidos. São aqueles que querem viver os valores do Evangelho a seu modo, fazendo as coisas como pensam e querem. Não pode ser assim! Certas atitudes, pensamentos, contextos vão totalmente contra o Evangelho. Não podemos querer forças as coisas. Muitos ainda dizem: eu vivo a minha fé do meu jeito. Tudo bem! Mas não foi assim que Jesus ensinou. A fé cristã junto com a herança do Antigo Testamento, sempre foi vivida em comunidade. Porque quando queremos viver do nosso jeito, vivemos o que queremos e adaptamos as coisas de Deus aos nossos desejos utilizando a doutrina cristã para satisfazer nossas vontades. Deus torna-se assim instrumento.

Quando Deus é o horizonte da nossa vida, sabemos viver em qualquer situação. Ele nos dá a sabedoria de que necessitamos para sermos fortes e sabermos viver com prudência. Isso nos ensina claramente São Paulo quando escreve aos Filipenses (4,42-14.19-20). Acompanhemos: “Sei viver na miséria e sei viver na abundância. Eu aprendi o segredo de viver em toda e qualquer situação, estando farto ou passando fome, tendo de sobra ou sofrendo necessidade. Tudo posso naquele que me dá força”.

Que esta Palavra e a celebração deste Domingo fortaleçam a nossa fé para que saibamos viver a vontade de Deus acolhendo seu projeto de amor para nós em qualquer circunstância.

Abençoado Domingo e abençoada semana!

Pe. Hermes José Novakoski
Pobre Servo da Divina Providência.